O método do Google para organizar seus projetos e porquê ele funciona

Você já parou para pensar que tudo na sua vida são projetos?

gestão de projetos

Sim, no começo do ano, nós brasileiros, somos especialistas em fazer promessas para os projetos do próximo ano.

Os projetos podem ser para a vida pessoal: casar, ter filhos, comprar uma casa, viajar ou para a vida profissional: conseguir um emprego, trocar de emprego, abrir o próprio negócio, começar o mestrado e por aí vai.

Infelizmente, muitas dessas promessas se perdem ao longo do caminho porque esquecemos o que prometemos, ou mudamos de objetivo durante o processo.

Então, por que ainda continuamos a fazer essas promessas?

Porque a forma como nosso cérebro pensa é em “caixinhas”, onde colocamos as informações e os esforços necessários.

Essas caixinhas são os projetos que escolhemos nos dedicar ao longo do ano, ao até mesmo da vida toda.

Ao separar cada caixinha conseguimos visualizar melhor sobre os objetivos e resultados que queremos alcançar.

Segundo o Project Management Institute, a definição de projetos é:

“Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo”

O que é OKR

Em 2017, fiz uma imersão muito grande no mundo digital e das startups e por isso conheci o método OKR.

O método OKR (Objective and Key Result) serve para definir objetivos e resultados-chave de uma empresa ou startup.

É um método útil e simples, se tornou popular quando foi sugerido para o Google, quando esta empresa tinha menos de um ano de vida.

Fiquei receosa ao ver uma abordagem tão simples dentro de uma empresa com o porte do Google. Mas resolvi testar, não iria me custar nada mesmo, apenas o esforço de aprender algo novo.

Como funciona?

Para usar o OKR na empresa como um todo, é preciso que todos os funcionários estejam engajados em participar e preencham as informações, em uma tabela de Excel, simples.

Essas informações são 5 objetivos principais e 4 resultados chaves para atingir cada objetivo.

Portanto, se seu objetivo é aumentar o número de clientes, é importante descrever 4 resultados (ou ações) que mostraram que você está chegando próximo de este objetivo.

Além da parte, qualitativa e descrita, é importante mensurar o quanto você já conseguiu desses resultados.

Vamos entender melhor

 Imagine que você tem uma empresa, um comércio, uma loja de produtos eletrônicos e queira aumentar as visitas no site, porque dentro de alguns meses irá abrir um e-commerce desses produtos.

Seu objetivo (dentre os outros 4 objetivos) é aumentar a visibilidade e interação dos clientes com o site.

Seus resultados chaves podem ser:

a) Alcançar 200 visitantes por dia
b) Alcançar 50 visualizações do blog por dia
c) Postar 1 artigo sobre eletrônicos por semana
d) Postar 1 vídeo a cada 15 dias no Youtube

Para cada um dos resultados é importante registrar o progresso, o quanto do seu esforço está sendo direcionado para cada objetivo.

Por exemplo, se você já alcançou 100 visualizações no seu site por dia, você atingiu 50% desse resultado chave.

O OKR é como uma bússola que te direciona no andamento das ações.

E também te ajuda a entender o quanto os projetos estão sendo importantes para sua vida e para a empresa.

Por que o OKR funciona?

Esta ferramenta simples e prática tem muitas vantagens:

1.      Não é imutável, seu prazo tem duração de 3 meses.
2.      Você pode utilizar para qualquer área da sua vida pessoal e profissional.
3.      Cada colaborador pode participar e assim se sentir mais engajado com os projetos
4.      É acessível a todos

 

Quer aprender mais? Acesse: https://endeavor.org.br/gestao-metas-metodologia-okr/

Nós também ajudamos as pessoas a implementar o OKR para melhorar sua comunicação interpessoal, com o Workshop Estratégias de Comunicação Interpessoal.

Inscreva-se para a turma de 3 de março.

Até a próxima 😊

Anúncios

A Comunicação para Não Comunicadores

com

Existem muitos cursos pelo Brasil para ensinar contabilidade, matemática financeira, finanças de um modo geral para pessoas que não são da área e precisam deste conhecimento para desenvolver as atividades na sua empresa, são os cursos chamados, por exemplo, de Finanças para Não Financeiros.

Isso ocorre porque essas disciplinas não são muito disseminadas nas universidades brasileiras, principalmente, em cursos nas áreas de humanas e também por serem consideradas as matérias mais difíceis no ensino fundamental e médio, com maior índice de reprovação, pois exigem uma dedicação maior do aluno o que torna o aprendizado mais complicado.

Já as disciplinas das ciências sociais, onde se encontra a comunicação social, são consideradas de fácil aprendizagem, pois não exigem cálculos, análises de balanços financeiros etc. Entretanto, o conceito de ser uma disciplina simples é um mito.

A comunicação social, assim como as disciplinas que a compõem, é bem complexa e interdisciplinar e deve ser ensinada em vários cursos desde química, passando pela engenharia até medicina. Porque é necessário que organizações entendam que não se constrói uma empresa sem interagir com seus públicos, ou seja, é necessário se comunicar. Esta comunicação organizacional necessita estar alinhada com a cultura da empresa para se tornar uma maneira de engajar todos os stakeholders (desde clientes, colaboradores, até fornecedores e a comunidade local).

A comunicação organizacional não deve ser ensinada para não comunicadores como sendo apenas uma ferramenta que serve para influenciar os diferentes públicos, mas sim como uma estratégia alinhada ao planejamento e ao posicionamento de determinada empresa.

Por esta razão conceitos errados sobre o papel da comunicação nas organizações precisam ser revisados e transformados.

A comunicação não precisa ser apenas uma plataforma na mão de alguns profissionais da comunicação e de profissionais que não são da área, pois infelizmente muitas empresas ainda acreditam que a comunicação é um meio para disfarçar os erros, ocultar os defeitos ao passar informações desconexas e que não agregam valor algum para nenhuma parte interessada.

A comunicação tem a necessidade de ser parte integrante da identidade da organização, de suas metas e objetivos para representar, da melhor forma, sua imagem e consolidar sua reputação.

Encontra-se aí uma importante função da comunicação a ser ensinado para os não comunicadores.

 

A fórmula do sucesso: como seguir a trilha rumo à comunicação eficaz?

images (3)

Todos nós sempre nos perguntamos, qual é a fórmula, o caminho menos tortuoso para sermos felizes e bem sucedidos. Existem milhares de livros em diversos idiomas sobre como ser feliz, como conquistar a pessoa amada e o emprego dos sonhos.

Mas será que realmente existe um caminho perfeito que nos levará a felicidade plena??

Ser comunicador, comunicólogo (como alguns preferem chamar) não é nada fácil. Temos sempre que encontrar a solução perfeita para problemas monstruosos e que muitas vezes não estão diretamente ligados a nossa área, e sim, a uma estrutura empresarial desorganizada. E quando não encontramos esta solução nos tornamos o problema.

Algumas organizações enxergam os comunicadores como profetas que levarão a luz aos caminhos obscuros da gestão empresarial. No entanto, outras empresas encaram a comunicação e suas funções como o departamento que gera muito custo com os eventos corporativos e comunicação na mídia “totalmente” desnecessários.

Dentro e fora das organizações possuímos desafios incontáveis. E por este motivo existem muitos debates sobre o papel do comunicador e suas funções.

A comunicação é um tema por muitas vezes intangível e inalcançável e por isso, tem a capacidade de ser algo transversal, ou seja, estar dentro e fora das empresas e atingir diversos públicos.

Segundo o teórico da área Lucien Sfez, a máquina comunicativa é uma ‘bola de bilhar’.  Existe um sujeito, um canal com uma mensagem e outro sujeito, esses dois sujeitos, até então isolados, decidem estabelecer uma relação através da comunicação que se propaga como uma bola de bilhar e pode atingir qualquer um de qualquer forma.

Este conceito demonstra o quanto a comunicação é abrangente e dispersa ao mesmo tempo.

O grande desejo dos profissionais de comunicação dentro das empresas é controlar algo que, obviamente, não tem controle.

Ao longo dos anos foram criados sistemas e processos que de alguma forma buscassem o controle da comunicação por meio do poder que ela exerce. Com a chegada da internet e depois das mídias sociais, esse poder da comunicação organizacional foi dissolvido e “distribuído” aos diversos públicos que são afetados pela empresa.

Então, qual é a fórmula da comunicação eficaz??

Só é possível responder que não existe um caminho único para o profissional de comunicação realizar seu trabalho da melhor forma possível. O que existe são muitas possibilidades para a comunicação corporativa e para quem colabora com ela.

Entretanto, a fórmula do fracasso é bem visível e conhecida por muitos de nós.

Esse fracasso acontece quando a comunicação não tem como direção princípios como a tão abrangente ética, a coerência entre discurso e ação e o esforço contínuo para construir com solidez a nossa área.

Alias, os princípios citados se referem ao que aprendemos em Teoria da Comunicação, pois são eles que  evitam o ruído na comunicação entre emissor e receptor.

E aqui talvez se encontre a melhor fórmula da comunicação eficaz.

Publicado no Portal Comunifoco:

http://comunifoco.com.br/2012/05/a-formula-do-sucesso-para-comunicadores-como-seguir-a-trilha-rumo-a-uma-comunicacao-eficaz/

Qual a verdadeira função do profissional de marketing?

 

poder

Em um artigo do site Mundo do Marketing publicado em 28/05/2009, Walter Longo, vice-presidente da Young & Rubicam, explica a situação atual:

“Hoje tem muitas pessoas diferentes numa empresa fazendo marketing. A área financeira faz relação com o investidor, o RH faz relação com o público interno, a área de produção faz pesquisa e design e o marketing acaba fazendo só publicidade.”

Isso realmente acontece na maioria das empresas tanto nas grandes multinacionais como nas de pequeno e médio porte.

O profissional de marketing deve ser múltiplo e conectado com a empresa, com o mercado que ela atua e com o mercado que ela não atua.

Não adianta esse profissional entender apenas dos famosos 4 Ps (preço, promoção, praça e produto), ele necessita ampliar sua visão de mundo e vivenciar cada departamento da organização, sair da sua confortável mesa e entender o real funcionamento das áreas.

Entender o porquê dos clientes não gostarem de algum produto ou serviço, o porquê da verba para a campanha promocional não ter sido liberada pelo financeiro, o porquê de alguns funcionários não entenderem alguma alteração no processo de produção, entre outros muitos “porquês”.

O marketing não é um departamento isolado dentro da organização, é a estratégia e a parte integradora de todas as pessoas e áreas.

Não cabe ao profissional resmungar que ninguém compreende o que ele faz, ele deve ser atuante e coeso com suas ações.

O profissional de marketing, sem dúvida, é o profissional que mais está ligado com as outras áreas, pois depende de todos os outros profissionais para que realmente o marketing seja a direção estratégica da organização.

Este profissional precisa ser o elo e a empolgação de toda a estrutura organizacional.

Publicado em Portal Comunifoco:

http://comunifoco.com.br/2011/10/qual-a-verdadeira-funcao-do-profissional-de-marketing/

Pesquisa de Marketing em Pequenas Empresas

A  UTILIZAÇÃO DA PESQUISA DA PESQUISA DE MARKETING PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

wordpress post 1

 

Quando trabalhei em uma famosa loja de móveis de alto padrão consegui com muitos desafios implementar a pesquisa de marketing.

Conseguir realizar pesquisa de marketing em empresas de prestação de serviços e de pequeno e médio porte não é nada fácil, pois a maioria destas empresas e as pessoas que trabalham nelas (entre eles gerentes e supervisores) não consegue entender a função e a importância da pesquisa de marketing. Nesse tipo de empresa, os esforços são exclusivos para o aumento das vendas e lucratividade e muitas vezes compreender o comportamento do cliente, suas necessidades e seus desejos não estão na lista das suas prioridades.

Este case mostra que é possível implementar a pesquisa e que ela pode identificar os problemas e definir, ou até mesmo redefinir os objetivos da empresa.

Nessa loja, comecei com a implementação do departamento de Relacionamento com Clientes. Depois de implementado este departamento, foi utilizado sistemas de informação de marketing para obter melhoria nos processos de venda e pós-venda. Dentro desses sistemas, a pesquisa é uma fonte de informação de mercado muito importante.

A primeira etapa da pesquisa foi realizada para direcionar a empresa, fazer com que ela conhecesse seu cliente e porque procurou aquela loja especificamente. O modelo da pesquisa foi de uma pesquisa quantitativa com perguntas fechadas, mas havia uma pergunta aberta para o cliente poder dar sua opinião e para que se pudessem entender as motivações do cliente.

A parte quantitativa da pesquisa foi utilizada para mostrar o quanto era importante cada situação e a parte qualitativa para entender as necessidades dos clientes. As informações obtidas na pesquisa ajudaram a empresa a compreender o que o cliente queria e de onde surgia o desejo de comprar móveis nesta loja, pois era uma franquia dentre muitas na cidade de São Paulo. Essas informações estruturaram algumas mudanças no posicionamento do departamento de vendas, como exemplo entender a importância do processo de pós-venda e do próprio relacionamento com os clientes.

Esta é uma pequena amostra (aproveito o termo da área) de como a pesquisa de marketing funciona em qualquer tipo de empresa e de qualquer tamanho. Não precisa ser uma grande empresa para realizar pesquisas e conhecer seus clientes e nem contratar assessorias que realizam grandes pesquisas de consumo, mas sim contratar alguém que tenha conhecimento e goste de realizar pesquisas de marketing, de mercado e de satisfação.

Todas as empresas necessitam conhecer o comportamento de seu consumidor, principalmente, para conseguirem diferenciar seus produtos, e principalmente sua marca, e segmentar seus públicos-alvo na comunicação direcionada.