As novas tendências de consumo e o contraposto com a sustentabilidade

green-shopping-cart1

Em 2011, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso esteve no Roda Viva, programa da TV Cultura, e debateu sobre diversos assuntos interessantes. Neste artigo vou destacar apenas uma citação.

FHC (como é mais conhecido pelo povo brasileiro) disse que “as novas classes médias não são classes médias, e sim, classes de renda”. Ele se referiu à tendência de denominar a classe mais pobre que hoje se encontra com mais poder aquisitivo para o consumo.

Com esta citação FHC quis dizer que a “nova classe média” não se caracteriza por uma transformação sociocultural, e sim, por uma mudança de viés econômico onde há mais dinheiro em circulação.

Esta denominação encontra-se bem presente nos dias atuais, principalmente no período que antecede o Natal. É possível  presenciar diversas ações e promoções, como a Black Friday (promoção realizada por varejistas que ocorre em uma sexta-feira) e também a redução do IPI para os eletrodomésticos da linha branca (fogão, geladeira e máquina de lavar) e para os carros.

Com maior poder aquisitivo, as pessoas (inclusive a nova classe média) podem comprar cada vez mais e muito mais produtos.

Alguns jornais televisivos mostraram reportagens que por causa dessas facilidades para consumir, como exemplo a redução do IPI, as pessoas estão trocando toda linha de eletrodomésticos de suas casas sem uma real necessidade, apenas pela “necessidade” de ter um produto mais novo e melhor.

Então, por que o título deste artigo tem haver com sustentabilidade?

Porque estamos vivendo o oposto dos conceitos de uma economia voltada à sustentabilidade, também chamada de economia verde.

O crescimento econômico e o aumento do poder de consumo da população são importantes para o desenvolvimento deste país.

Entretanto, um consumo desenfreado gera muito lixo e utiliza muitas matérias-primas não renováveis.

O renomado economista brasileiro Celso Furtado já dizia que se todas as nações subdesenvolvidas (como era o Brasil há alguns anos atrás) tivessem um novo modelo de consumo mais facilitado pelo desenvolvimento tecnológico, a pressão sobre os recursos não renováveis seria tão imensa que o sistema econômico mundial entraria em colapso. É isso que estamos vivenciando atualmente, principalmente, quando vemos as crises na Zona do Euro e nos Estados Unidos.

A verdade é que nós, comunicadores, dependemos muito deste modelo de consumo atual, principalmente quem trabalha com comunicação mercadológica e institucional.

Mesmo assim, convido os comunicadores a repensar sobre o caminho para qual este consumo exacerbado nos levará, pois todos nós precisamos trilhar um meio sustentável, ou seja, um caminho que se sustente por si próprio e que não destrua os outros caminhos a serem seguidos.

Publicado no Portal Comunifoco:

http://comunifoco.com.br/2011/12/sustentabilidade-consumo-e-um-pouco-de-economia-para-comunicadores/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s